Morumbi se conecta contra o crime

“Isso é um assalto. Coloque todo o dinheiro e os cigarros na bolsa e não tente nada, para ninguém se machucar.” O bilhete foi entregue por um casal de assaltantes ao funcionário de uma banca da Rua João Sussumo Hirata, no Morumbi, na terça-feira passada. O funcionário obedeceu. E pediu demissão.

Esse foi o último de uma série de crimes na rua, em uma região nobre do bairro. Agora, moradores e lojistas do local preparam um sistema de vigilância inédito, baseado em tecnologia.

“A ideia é integrar, por celular e computador, os moradores dos condomínios com a portaria”, afirma Celso Cavallini, presidente do Conseg (Conselho de Segurança no bairro do Morumbi). “E conectar vigias e lojistas à base da PM.” O projeto — piloto para o bairro — começa a funcionar em 15 dias,  na Rua João Sussumo Hirata.

A rede deve ser formada com o aplicativo Agentto. Pelo sistema, os moradores podem relacionar 12 pessoas de confiança para quem seus alertas serão mandados. “Além disso, ele pode ‘confiar’ em uma instituição”, diz Sérgio Paim, idealizador da rede.

“Se o morador ‘confiar’ no Conseg, os problemas de segurança pública na região comunicados por ele serão vistos pelo Conseg”, prossegue Paim.

O Agentto é uma rede de confiança. “Nenhuma informação comunicada é anônima”, diz. “Optamos por isso para evitar trotes. Mas é preciso que os usuários confiem nas pessoas com quem se relacionam.”

Bárbara Mendonça, dona de uma doceria na João Sussumo Hirata, espera que o sistema melhore a segurança do bairro. “Tivemos casos de funcionárias assaltadas. Por isso, tivemos uma reunião nesta semana.” O sistema conta com o entusiasmo de outros lojistas.

O soldado Jorge Alencar, da Base Comunitária do Portal do Morumbi, disse que a ideia inicial é trabalhar com um grupo e expandir. “Queremos ampliar o serviço paulatinamente, até espalhar  o programa Rede Comunitária de Segurança para toda a área coberta pela 5 Companhia do 16 Batalhão.”

Bando cobra R$ 50 de pedágio perto de ladeirão, diz moradora
Cinquenta reais foi o pedágio pago a bandidos por uma moradora do Morumbi, nesta quinta-feira, às 11h, em uma travessa da Rua Francisco Tomas de Carvalho, o “ladeirão” que cruza a Favela  Paraisópolis. Eram três ladrões jovens: queriam R$ 100. A vítima teve de negociar o “desconto”. O relato foi feito em uma rede social.



As ruas do entorno das comunidades como Paraisópolis e Real Parque são preocupação de moradores do bairro. “Muitos menores roubam motoristas e correm para a favela. O gargalo de trânsito é um facilitador.  E a rede poderá ajudar a informar os melhores horários e situações suspeitas no trânsito”, disse o soldado Jorge Alencar.

“A união da comunidade com a PM  servirá para que o cidadão cobre outros órgãos. Por exemplo,  a CET. O ‘ladeirão’ não deveria ter duas mãos. Deveria só descer, para dificultar as ações criminosas”, afirmou.

Polícia Militar já está treinando a comunidade
O soldado Jorge Alencar, da Base Comunitária Portal do Morumbi,  foi designado para explicar como a integração da comunidade com a PM vai funcionar.  “Escolhemos uma microrregião que já tem moradores e comerciantes organizados. Isso vai facilitar a nossa integração”, disse.

Alencar explicou que, além do programa, o grupo inicial estará conectado por internet (via skype) e telefonia fixa também.  O modelo, caso dê certo, pode ser espalhado para outras regiões.

“Estamos treinando porteiros de prédios, comerciantes e as pessoas que vão integrar a rede.  Haverá necessidade de a PM pesquisar a folha de antecedentes criminais de cada um para termos a certeza de que todos da rede estarão contribuindo para o sucesso da empreitada, jogando juntos”, explicou.

Fonte: Diário de S. Paulo

Morumbi se conecta contra o crime
4.8 (95.96%) 99 votos




Deixe seu comentário